domingo, 2 de setembro de 2012

DESTAQUES

Fim de semana de música e esporte em Jericoacoara


5º Jeri Sport Music Festival terá festa "Farra na Casa Alheia" e shows de Paula Tesser, Barbara Eugenia e Fino Coletivo, na paradisíaca praia de Jijoca

Regata de Kite e Wind embelezará a orla de Jericoacoara durante o evento
Após trazer Martinália, Fernanda Abreu, Otto, Arnaldo Antunes, Eduardo Dussek e tantos outros grandes artistas para as areais da praia de Jericoacoara, o Jeri Sport Music Festival leva até sábado mais música boa e esporte para a vila praiana da cidade de Jijoca. Em novo palco, o evento apresenta esse ano shows das cantoras Barbara Eugênia e Paula Tesser, grupo Fino Coletivo e começando hoje com a festa Farra na Casa Alheia, além da tradicional Regata de Kite e Windsurfe. Uma arena próxima à Duna do Por do Sol é o novo local das apresentações. Os mestres de cerimônia e DJs Guga de Castro e Rodrigo Fuser da Farra na Casa Alheia e convidados, que farão intervenções diárias com sets tropicais em estrutura especial, durante a programação gratuita das três noites.

Na sexta-feira o show de abertura é com a delicadeza vibrante da cantora franco-cearense Paula Tesser em bossas novas, canções francesas repaginadas e interpretação de composições autorais. A cantora apresenta show com canções da MPB (Gilberto Gil, Caetano Veloso, Dorival Caymmi...), clássicos da musica francesa (Edit Piaf, Henri Salvador...) e autorais (Valdo Aderaldo, Oscar Arruda, Jonnata Doll...), acompanhada dos músicos Fabio Amaral (baixo acústico), Ayrton Pessoa (piano e acordeon), Regis Gomes (guitarra), André Benedecti (bactéria).  Nascida na França, filha de brasileiros, Paula canta desde os 16 anos. Participou de várias formações musicais, acompanhada por diversos músicos de Fortaleza com destaque para o parceiro compositor cearense Valdo Aderaldo, cujas composições fazem parte de seu repertório há mais de 20 anos. Na Europa (1994-2007), Paula cantou em Paris e na Holanda com a Banda Paula Tesser & Boa CO, interpretando, sobretudo, Bossa Nova, música cearense e francesa, paticipandod e diversos discos e trilhas sonoras para o cinema.
Em seguida, a revelação envolvente da intérprete e compositora carioca Barbara Eugenia, que vem pela primeira vez ao Ceará em turnê do álbum de estreia “Journal de Bad”. O ano de 2011 foi efervescente para Barbara Eugenia, que participou da coletânea “Literalmente Loucas (Elas cantam Marina Lima)” na faixa “Por querer (todas)”; gravou uma versão de “Olhos nos Olhos” de Chico Buarque, como música-tema do filme “Abismo Prateado”, do cearense Karim Ainouz. Também participou das premiações VMB (ao lado de Marina Lima, Scandurra, Tulipa Ruiz, Nina Becker e Karina Buhr) e da Trip Transformadores (ao lado de Luiz Melodia, Wilson das Neves e Andréia Dias). Nesse 2012, além de trilhar o País em shows, participou do programa Som Brasil (Globo) em homenagem à musica brega dos 70’s no especial “Fogo e Paixão”,  que foi ao ar em julho, e se prepara agora para apresentar seu show na paradisíaca praia de Jericoacoara.
Além da tradicional Regata de kite e windsurfe, no sábado, que abre às 14h o terceiro e último dia do 5º Jeri Sport Music Festival, a noite de sábado promete com o show dos músicos cariocas e alagoanos do Fino Coletivo ressoa canções dos festejados álbuns de estreia (de 2007), "Copacabana" (2010) e novidades do próximo disco que sai em 2013, tendo Adriano Siri e Lancellotti nos vocais, o tecladista Donatinho (filho do célebre João Donato), Alvinho Cabral no violão, Daniel Medeiros no baixo, e Rodrigo Scofield na bateria – todos interpretando o melhor do samba contemporânea. Na abertura do Fino Coletivo haverá discotecagem do projeto Divino Maravilhoso com músicas brasileiras tropicalistas na seleção do convidado Régis Lima.
O evento ainda promove oficinas de papel marché nos dias 28 e 29 de setembro, das 18 às 20 horas, gratuitas e direcionadas aos jovens e crianças da comunidade, que terão aulas nas tendas do evento com a professora Andrea Rovere.

Programação 5º Jeri Sport Music Festival
Quinta-feira, 27 de setembro

23h - Festa de abertura do 5º Jeri Sport Music com Farra na Casa Alheia e Red Bull

Sexta, 28 de setembro
22h - MCs e DJs Guga de Castro e Rodrigo Fuser da Farra na Casa Alheia
23h - Paula Tesser (França/ Ceará)
0h - Farra na Casa Alheia (Fortaleza)
0h30 – Barbara Eugênia (RJ/SP)
2h - Farra na Casa Alheia (Fortaleza)

Sábado, 29 de setembro

14h – regata de Windsurfe e Kitesurfe pela orla de Jericoacoara (encontro no palco do Jeri Sport Music e largada próxima à Duna do por do sol)
22h - premiação da regata de windsurfe e kitesurfe
23 h - Farra na Casa Alheia (Fortaleza) e convidados
0h30 - Fino Coletivo (Alagoas – RJ)
2h - Farra na Casa Alheia (Fortaleza)









SHOWS

ROUPA NOVA EM SHOW INÉDITO, NO MUCURIPE CLUB, NESTA SEXTA

Banda apresenta o show que fizeram no "Cruzeiro Roupa Nova"

    Roupa Nova surpreende com mais uma novidade. Agora, pela primeira vez, um DVD gravado dentro de um super transatlântico! Cruzeiro Roupa Nova: três dias de muito sol, muito som e muito astral. Isso fica claramente refletido num DVD com uma deliciosa mistura de show, lindas imagens externas e um documentário bastante inusitado, com coisas que o Roupa Nova nunca mostrou. O "imbromeichon" do Kiko por exemplo!!!

   O novo trabalho traz três versões que são super sucessos mundiais e agora na voz do Roupa: " Só Olhei Você" ( “My Eyes Adored You”), "Nossa Canção" (“My Sentimental Friend”) e "Tenha Fé Na Música" (“God Gave Rock and Roll To You”).  Essas músicas também estarão no próximo projeto, um musical escrito pelo Nando, que será mais uma mega produção Roupa Nova Music e sairá no final do ano.

 "Não Dá", "Terra do Amor", "Frisson", "Tudo Desarrumado" e "Luz do Teu Caminho" são músicas também gravadas no Cruzeiro. Mesmo já sendo conhecidas de CDs anteriores pelos fãs, foram tocadas pelo Roupa, nessa versão, num jeitinho bem minimalista, com violões, baixolão, djembe, percussão, piano Fender e órgão Hammond, como se estivessem em pleno luau em alto mar.

Na turnê "Cruzeiro Roupa Nova", além das novas canções, não faltarão os grandes sucessos, como “Coração Pirata”, “Dona”, “Whisky a Go Go”, “Linda Demais”, “Volta pra Mim”,  entre muitas outras... Cenário e iluminação novos mostram mais uma vez o capricho, o profissionalismo e o carinho que o Roupa Nova tem pelas pessoas que seguem a banda.

O DVD "Cruzeiro Roupa Nova" tem a direção de Ricardo Feghali e é mais uma produção Roupa Nova Music, distribuída pela Microservice.

ROUPA NOVA:

Cleberson Horsth_________  Teclados e vocal
Paulinho ________________ Voz e percussão
Ricardo Feghali__________    Teclados, violão, guitarra, voz e vocal 

Nando__________________ Baixolão, baixo acústico, violão, voz e vocal
Serginho Herval___________ Bateria, djembe, voz e vocal 

Kiko____________________  Violão, guitarra, voz e vocal

SERVIÇO:
Dia: 28 de Set - SEXTA
Local: Mucuripe Club
Hora: 22:00h
Boate Burn: Dj Gerson Fox
Ingressos à venda:
Lojas Helga Cosméticos- Av. Santos Dumont, 1957 (esquina com Av. Barão de Studart) e
Bilheteria do Mucuripe Club
Valores de Ingressos:
Camarote R$ 180,00 inteira e  R$ 90,00 meia 
Pista: R$ 80,00 inteira e R$ 40,00 meia

INFORMAÇÕES: 3261.0665     (Free Lancer Producções) e 3254.3020 (Mucuripe Club)









HUMOR

Projeto “Comédia de Sábado” traz Fabiana Karla a Fortaleza

Atriz e comediante do seriado "Gabriela" e do humorístico "Zorra Total" apresenta seu espetáculo no Teatro Via Sul

O Projeto “Comédia de Sábado” entra em cartaz no Teatro do Via Sul Shopping no dia 29 de setembro, às 23 horas, tendo como convidada a atriz e comediante Fabiana Karla – que interpreta a “Dilma do Metrô” no Zorra Total e “Olga”, na série Gabriela – ambas produções da TV Globo. O projeto tem a apresentação do humorista cearense Amadeu Maya (a Babalu, da TV União) e tem uma proposta diferente de entretenimento – onde as estrelas do humor nacional e local se encontram para garantir muitas gargalhadas.
Segundo o produtor Luís Melo, o projeto tem o objetivo de diversificar ao máximo os artistas que se revezarão no palco. “A proposta é apresentar um espetáculo novo a cada sábado, durante uma temporada fixa, no horário alternativo das 23 horas”, explica Melo.

ESPETÁCULO – No “Comédia de Sábado”, a noite é conduzida por um nome de peso do humor local, que será o mestre de cerimônias. Na primeira metade do show, três nomes ou grupos de humor ou comédia terão 10 minutos cada um para se apresentar – e o público receberá uma cédula de votação para escolha dos dois melhores da noite. Os ganhadores voltam em outra data, em novo espetáculo, e um terceiro entra na competição – sob escolha dos produtores Luis Melo e Amadeu Maya.

A segunda metade do show ficará a cargo de um convidado de nome do humor nacional, que apresentará seu espetáculo individualmente; ou participar de um talk show ou mesmo ter uma divertida conversa com o público.

PRIMEIRA CONVIDADA – Talento e carisma definem o trabalho da atriz Fabiana Karla – que ficou conhecida na TV quando interpretou Célia, a fofoqueira empregada da Lorena (personagem da atriz Suzana Vieira na novela “Mulheres Apaixonadas”, de Manoel Carlos, na Rede Globo). Antes, a atriz já havia marcado presença em outros programas da emissora, como “Linha Direta”, “A Grande Família” e “Zorra Total” – onde divertiu todo mundo com a Dra. Lorca e sua dieta do "Pode e Não Pode!"

Interpretou também a inesquecível "Dona Gislaine", ‘personal trainer’ para novos pobres, quando fez o bordão "Isso não te pertence mais" cair na boca do povo – assim como o "Desenrola carretel!", frase da personagem “Dona Lucicreide”. Atualmente vive na TV a condutora “Dilma do Metrô” e a personagem Olga em “Gabriela”, contracenando com o ator Marcelo Serrado. Versátil, a atriz fez seu primeiro curta-metragem aos cuidados da diretora Isabel Diegues, com o titulo "Marina". Depois vieram os filmes "A Máquina"; "Trair e coçar e só começar" e participação especial no longa “O Palhaço”, de Selton Melo. No teatro, berço da atriz, Fabiana fez sua estreia aos 14 anos com espetáculos amadores. Aos 16 iniciou sua carreira profissional. Protagonizou o sucesso "Balaio de Gatos" escrito por Bia Montez e Fátima Valença – peça que já viajou para os Estados Unidos, com apresentações em Newark, Miami, New York, Atlanta e Filadélfia; além de várias cidades brasileiras. Atuou ao lado de Laura Cardoso em "Hoje eu me chamo Dinorá!", de Maria Carmem Barbosa do original de Janete Clair; além dos sucessos “Gorda” e “Decameron”.

SERVIÇO:
Espetáculo “Comédia de Sábado” – com Fabiana Karla
Dia e horário: 29 de setembro, às 23h.
Local: Teatro do Via Sul Shopping – Av. Washington Soares, 4335 – Sapiranga.
Ingressos: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia*), à venda na bilheteria do Teatro (3º piso) e no www.ingresso.com .
Duração: 70 minutos
Gênero: Humor
Censura: 12 anos
Mais informações: (85) 3052-8027  (Bilheteria Teatro do Via Sul) e (85) 8515-3551 9639-1822 (Luís Melo - Produção)
Site: www.teatroviasul.com.br






BELEZA

MISS BRASIL 2012 será escolhida em Fortaleza, no novo Centro de Eventos 

TV Jangadeiro e Rede Bandeirantes transmitem no próximo sábado para todo o país o concurso de beleza direto da capital cearense 

O Centro de Eventos de Fortaleza será palco do Miss Brasil 2012 neste sábado, dia 29. As 27 concorrentes vão desfilar em cinco trajes: típico, casual, biquíni, maiô e traje de gala – o último usado também na coroação. Elas estão desfilando por vários locais da capital cearense.
Entre especialistas e convidados da organização, serão 11 jurados. Eles escolherão nove finalistas. A décima será escolhida pelos internautas, que podem votar no site da Band. As últimas cinco finalistas serão avaliadas em simpatia, inteligência e oratória.
A agenda tem sido cheia. Na terça-feira, 25, elas desfilaram usando vestidos de noiva na Ponte dos Ingleses. Mas quem são as candidatas? Conheça todas elas abaixo. A transmissão para TV, ao vivo, às 22h30, na Band, com apresentação de Adriane Galisteu.

CONHEÇA AS CONCORRENTES A MISS BRASIL

Miss Acre


Jéssica Maia
18 anos
1,80 m
83 cm de busto
65 cm de cintura
95 cm de quadril
Manequim 38
Sapatos 40

Miss Alagoas


Marina Rijo
18 anos
1,81 m
84 cm de busto
66,6 cm de cintura
91 cm de quadril
Manequim 38
Sapatos 36

Miss Amapá


Vanessa Pereira
18 anos
1,79 m
96 cm de busto
74 cm de cintura
102,5 cm de quadril
Manequim 38
Sapatos 39

Miss Amazonas


Vivian Amorim
19 anos
1,76 m
90 cm de busto
60 cm de cintura
90 cm de quadril
Manequim 38
Sapatos 39

Miss Bahia


Bruna Gonçalves
22 anos
1,80 m
83 cm de busto
65 cm de cintura
92,5 cm de quadril
Manequim 38
Sapatos 39

Miss Ceará


Milena Ferrer
20 anos
1,79 m
89 cm de busto
62 cm de cintura
92 cm de quadril
Manequim 38
Sapatos 39

Miss Distrito Federal


Tamiris Rodrigues
21 anos
1,75 m
87,5 cm de busto
61 cm de cintura
90 cm de quadril
Manequim 36/38
Sapatos 36

Miss Espírito Santo


Fernanda Pessan
22 anos
1,79 m
84 cm de busto
63 cm de cintura
94,5 cm de quadril
Manequim 38
Sapatos 39

Miss Goiás


Hérika Noleto
24 anos
1,79 m
90 cm de busto
66 cm de cintura
91 cm de quadril
Manequim 36
Sapatos 41

Miss Maranhão


Juliana Cavalcante
21 anos
1,75 m
90 cm de busto
66 cm de cintura
93 cm de quadril
Manequim 38
Sapatos 38

Miss Mato Grosso


Letícia Hauch
19 anos
1,76 m
88 cm de busto
66 cm de cintura
100 cm de quadril
Manequim 38
Sapatos 38

Miss Mato Grosso do Sul


Karen Recalde
22 anos
1,77 m
83 cm de busto
61 cm de cintura
86,5 cm de quadril
Manequim 36
Sapatos 39

Miss Minas Gerais


Thiessa Sickert
19 anos
1,80 m
87 cm de busto
66 cm de cintura
90 cm de quadril
Manequim 38
Sapatos 39

Miss Pará


Layse Souto
19 anos
1,74 m
82 cm de busto
63 cm de cintura
91 cm de quadril
Manequim 38
Sapatos 37

Miss Paraíba


Natália Oliveira
21 anos
1,76 m
83 cm de busto
62 cm de cintura
89,5 cm de quadril
Manequim 36
Sapatos 38

Miss Paraná


Alessandra Bernardi
20 anos
1,75 m
90 cm de busto
60 cm de cintura
92 cm de quadril
Manequim 36
Sapatos 38

Miss Pernambuco


Paula Lück
20 anos
1,80 m
84 cm de busto
64 cm de cintura
94 cm de quadril
Manequim 36/38
Sapatos 39

Miss Piauí


Jéssica Camargo
21 anos
1,79 m
90 cm de busto
70 cm de cintura
104 cm de quadril
Manequim 38/40
Sapatos 38

Miss Rio de Janeiro


Rayanne Morais
24 anos
1,74 m
88 cm de busto
60 cm de cintura
93 cm de quadril
Manequim 38
Sapato 37

Miss Rio Grande do Norte


Kelly Fonseca
23 anos
1,80 m
85 cm de busto
64 cm de cintura
94 cm de quadril
Manequim 38
Sapato 37

Miss Rio Grande do Sul


Gabriela Markus
23 anos
1,80 m
89 cm de busto
64 cm de cintura
95 cm de quadril
Manequim 38
Sapatos 39

Miss Rondônia


Michele Miquelini
21 anos
1,75 m
83 cm de busto
63 cm de cintura
90 cm de quadril
Manequim 38
Sapatos 36

Miss Roraima


Karoline Rodrigues
20 anos
1,71 m
78 cm de busto
60 cm de cintura
92 cm de quadril
Manequim 36
Sapatos 36

Miss Santa Catarina


Manoella Deschamps
25 anos
1,74 m
90 cm de busto
62 cm de cintura
93 cm de quadril
Manequim 38
Sapatos 37

Miss São Paulo


Francine Pantaleão
23 anos
1,79 m
89 cm de busto
61 cm de cintura
92 cm de quadril
Manequim 38
Sapato 39

Miss Sergipe


Evlen Fontes
19 anos
1,73 m
84 cm de busto
64 cm de cintura
92,5 cm de quadril
Manequim 38
Sapatos 38

Miss Tocantins


Viviane Fragoso
22 anos
1,77 m
83 cm de busto
61 cm de cintura
92,5 cm de quadril
Manequim 38
Sapatos 39


FOTOS:
Carol Gherardi / Band








Tom Zé dá sua versão sobre movimento musical dos anos 60

Músico de 75 anos mostra no CD "Tropicália Lixo Lógico" porque foi um dos personagens centrais do movimentO
 
Por trás de "Tropicália Lixo Lógico", novo disco de Tom Zé, há uma tese complexa, na qual o compositor dá a sua versão sobre o movimento musical surgido nos anos 1960, do qual foi um dos personagens centrais. Mas se isso poderia fazer do álbum um trabalho de difícil compreensão, excessivamente teórico, o músico, aos 75 anos, afirma o contrário: "É o meu disco mais popular e cantante. Mesmo nas faixas que carregam a teoria, é sempre música 'sacudida'".
Ao falar do trabalho, Tom Zé solta uma definição de si mesmo que parece esclarecer algo tanto sobre o novo disco quanto sobre sua postura de palco. "Eu ganho a vida de observar pessoas. Não sou músico, compositor, engenheiro... Sou observador de tempos e situações", afirma. Pois é como "observador de tempos" que o artista criou a tese de "Tropicália Lixo Lógico", na qual parte do funcionamento mental infantil para chegar ao momento histórico em que Gil e Caetano deflagram o tropicalismo.
Em outro âmbito, é como "observador de situações" que Tom Zé se movimenta no palco e faz de seus shows algo sempre enérgico. "O tempo todo eu estou sentindo os olhos da plateia, e, se algo não funciona, eu mudo tudo. O palco é um processo de eterno feedback, de pergunta e resposta", explica. Neste novo trabalho, o músico celebra e repensa o movimento tropicalista, que exerce grande influência na música e na cultura brasileira.
Nas canções, os próprios títulos são uma provocação ao interesse e à curiosidade do público: Não tenha ódio no verão, Navegador de canções, O motobói e Maria Clara e Apocalipsom, entre outros. Sempre com muito bom humor e irreverência, Tom Zé brinca com as palavras, fazendo trocadilhos com letras e nomes de pessoas, mostrando toda a sua originalidade e ousadia, características inconfundíveis que marcam a sua trajetória.
Tropicália Lixo Lógico tem 16 faixas, dentre elas uma introdução e uma de fechamento, o disco recebeu as participações de Rodrigo Amarante, Mallu Magalhães, Emicida, Washington e Pélico. A produção ficou por conta de Daniel Maia, além de emprestar sua guitarra e vocais. Um disco talvez mais fácil de ouvir que alguns dos anteriores de Tom Zé, mas não menos óbvio, inteligente e renovador. Ele apostou em chamar artistas da nova geração e mostrou em A Terra, Meus Filhos que o combo “sambinha mais letra inteligente” nunca sai de moda.  O humor e os paralelos com músicas famosas também sempre são ingredientes certeiros . Destaque para “E em Capitais e tais”, música dominada por ritmos regionais nordestinos acompanhando a letra sobre algumas das cidades do Nordeste. Já em NYC Subway Poetry, Tom Zé canta em inglês junto a Rodrigo Amarante.











PRAIAS:  Fortaleza tem 25 pontos próprios para banho

Banhistas de Fortaleza podem contar com 25 praias próprias para banho. É o que afirma a Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), por meio da Gerência de Análise e Monitoramento, que divulga nesta sexta-feira (21) novo boletim de balneabilidade das praias da Capital. De acordo com os últimos os dados da autarquia, 25 dos 31 pontos monitorados na região estão próprios para banho. O resultado é baseado em análises de água realizadas no período de 20 de agosto a 17 de setembro.

O monitoramento da Semace segue o padrão estabelecido pela Resolução 274, de 29 de novembro de 2000, do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). A legislação afirma que um ponto para ser considerado próprio não pode apresentar mais que 1.000 coliformes termotolerantes para cada 100 mL de água coletada nas últimas cinco semanas.

A listagem abaixo mostra o resultado completo dos pontos próprios e impróprios para banho. Também é possível acompanhá-los através do site www.semace.ce.gov.br, no banner localizado à direita.

Pontos próprios:
Barraca Arpão Praia Bar
Barraca Itapariká
Barraca Hawaí
Praça 31 de Março
Barraca América do Sol
Barraca Crocobeach
Clube de Engenharia
Barraca Beleza
Volta da Jurema
Edifício Arpoador
Final da Rua José Vilar
Ed. Vista del Mare
Ponte dos Ingleses (Ponte Metálica)
INACE (Ind. Naval do Ceará)
Marina Park Hotel
Início da Av. Philomeno Gomes
Início da Rua Ismael Pordeus
Mucuripe
Farol
Caça e Pesca
Estátua de Iracema
Barraca Big Jeans
Iate
Kartódromo
Goiabeiras


Pontos impróprios: 
Ideal Clube
Colônias
Horta
Início da Rua Lagoa do abaeté
Barra do Ceará
Início da Av. Pasteur










POLÊMICA MUNDIAL:
Que filme é esse que os muçulmanos odeiam tanto?


“A Inocência dos Muçulmanos” pode nem ter sido concluído, mas provoca protestos no mundo inteiro – conheça tudo sobre essa produção misteriosa

VEJA AQUI NO DIVIRTA-CE AS VÁRIAS VERSÕES DIVULGADAS NO YOUTUBE DO "FILME" QUE PROVOCA MANIFESTAÇÕES EM TODO O PLANETA

O polêmico filme “A Inocência dos Muçulmanos” tem sido causa de protestos em vários países, como Egito, Iêmen, Irã e Líbia, e seria a motivação da morte do Embaixador americano na Líbia. Mas ele pode não existir. O produtor e roteirista Sam Bacile, que foi desmascarado como sendo Nakoula Basseley Nakoula, é quem dizia que o filme existia. Para provar, disse tê-lo projetado uma vez num cinema, sob o título “The Innocence of Bin Laden” (A inocência de Bin Laden). Mas o jornal Los Angeles Times averiguou que ninguém viu esta suposta sessão. Nem mesmo o responsável por projetar o filme teria assistido a íntegra da produção. De fato, ninguém viu mais que 13 minutos da produção, o tempo do trailer estendido divulgado no YouTube.
O longa retrataria o profeta islâmico Maomé como um homem gay, que aprova a molestação de crianças e massacres sanguinários, e traz alguns atores com maquiagem grosseira para escurecer a pele. Claramente amador, o trabalho foi dirigido por um veterano da indústria pornô, chamado Alan Roberts (“Happy Hooker Vai a Hollywood”). A atriz Cindy Lee Garcia, que atuou na produção, disse ao site The Hollywood Reporter que as falas dos atores foram redubladas no trailer. Todos os integrantes da produção acreditavam estar participando de um épico (de baixíssimo orçamento) chamado “Desert Warriors”. Mas nem mesmo ela viu alguma imagem do produto final além das que estão no trailer. Além dele, outro vídeo de 74 minutos, que traria a produção integral, apenas repete o conteúdo do trailer várias vezes seguidas, fazendo a tese da inexistência do filme ganhar mais força. “O filme não existe”, declarou Marium Mohiuddin, representante do Muslim Public Affairs Council, organização que trabalha pela integração dos muçulmanos nos EUA. “Nós temos procurado muito por um filme completo, mas não encontramos nada”, ele afirmou ao site The Hollywood Reporter.
Mesmo assim, Mohiuddin reconhece que a veiculação do trailer tenha causado uma repercussão extremamente negativa entre os radicais, que não só acreditam que o filme exista, mas também acham que esta é uma grande produção de Hollywood. “Eles estão acostumados com entretenimento sancionado pelo governo, então acham que isso foi aprovado pelo governo americano. Isso faz sentido para eles, pois acreditam que os americanos tratam mal os muçulmanos que vivem nos EUA”.



 
Um filme pode ter força suficiente para causar um incidente internacional, fazer uma nação pegar em armas, invadir uma Embaixada e matar um embaixador inocente? Responsável pelo ainda inédito, mas já polêmico “A Inocência dos Muçulmanos”, o misterioso produtor Sam Bacile está escondido desde terça-feira (11/9) para se proteger de tentativas de assassinato e escapar do FBI. Muito pouco se sabe sobre Bacile, pois as informações são desencontradas. Ele declara que é um judeu israelense de 56 anos, mas sua conta no YouTube, “Sam Bacile”, informa que o cineasta tem 74 anos. Bacile também alega ser um incorporador imobiliário, mas ele não tem registros no Departamento de Incorporação Imobiliária californiano.



O telefone que a agência de notícias The Associated Press usou para contatar o cineasta levou a um local na Califórnia, perto de Los Angeles. No entanto, o endereço está associado ao cristão Copta (egípcio) Nakoula Basseley Nakoula, gerente da empresa que produziu “A Inocência dos Muçulmanos”, que nega ser Bacile e também afirma que não dirigiu o filme – na verdade, o nome creditado como diretor é o de Alan Roberts, tão genérico que o site IMDb lista 12 homônimos, inclusive um diretor de filmes eróticos dos anos 1970 (“Happy Hooker vai a Hollywood”).
Nakoula diz que teve contato com Bacile e que lhe mostrou sua carteira de motorista, mas cobriu seu nome do meio com o polegar para proteger sua identidade. Nakoula foi indiciado por fraudes bancárias em 2010 na Califórnia e condenado a pagar mais de U$S 790 mil em indenizações. O homem usa diversos nomes falsos, como Nicola Bacily e Erwin Salameh.




Colocando lenha na fogueira, o Wall Street Journal publicou uma suposta entrevista com Bacile, que disse ter levantado cerca de US$ 5 milhões, por meio de doações de 100 judeus proeminentes, para produzir o filme. Mas o jornal The Atlantic, de Washington, ajuda a contestar a versão de uma agenda israelense por trás da produção. A publicação conseguiu falar com outro produtor do filme, o americano Sam Klein, que confessou que Bacile é um pseudônimo e, pelo pouco que falou com ele, tem certeza de que não se trata de um cidadão israelense. “Eu não sei muito sobre ele”, Klein teria dito. “Eu o encontrei e conversamos por uma hora. Ele não é israelense”. Segundo Klein, ele teria sido procurado por ser um expert em localizar células da Al-Qaida na Califórnia. Bacile teria lhe contado já com o financiamento em mãos, buscando apenas ajuda para realizar as filmagens. Ele disse que 15 pessoas ajudaram a levantar os filmes, a maioria “cidadãos americanos ativos”. “Alguns são coptas, mas a vasta maioria seria evangélica”, contou o produtor.




A maior amostra da identidade obscura de Bacile veio com declarações do elenco de “A Inocência dos Muçulmanos”. A atriz Cindy Lee Davis relatou ao blog Gawker que o cineasta falava árabe, se declarava egípcio e era muito misterioso durante as filmagens. Ela também disse que a produção seria um filme sobre o Egito Antigo, sem elementos religiosos ou menções a Maomé, e que o diretor redublou várias falas na pós-produção. Davis ainda declarou que irá processar Bacile.
O produtor Sam Klein, porém, não se mostra nada arrependido. Falando para o jornal britânico Daily Mail, ele se mostrou inclusive orgulhoso de sua obra. “Não queríamos que ninguém fosse morto, mas, por outro lado, a verdade precisava ser dita. Contamos a verdade e aquelas pessoas reagiram do jeito que o profeta Mohammed queria que elas reagissem – assassinando pessoas. Eu me sinto culpado? Sim, mas não por mim, e sim por aqueles que fizeram isso. Eu me sinto envergonhado? Sim, mas não por mim. Matar estes homens combina com o ponto de vista ético e legal daquelas pessoas”.




O Presidente Barack Obama disse que a “justiça será feita”, em relação às mortes dos quatro americanos na Embaixada do país na Líbia. Uma das prioridades do FBI passou a ser identificar quem, de fato, é Sam Bacile. E, nesta quinta, um integrante da polícia federal americana confirmou que o cineasta é, de fato, Nakoula Basseley Nakoula. A informação ainda não é oficial, pois a fonte se manifestou em condição de anonimato, já que é proibido comentar um processo em andamento. Esta não é a primeira vez que um filme causa tantas reações entre muçulmanos. O cineasta holandês Theo van Gogh foi assassinado em 2004, depois de receber várias ameaças de morte por conta de seu curta-metragem “Submission: Part 1″ (2004), que relata abusos contra mulheres em países islâmicos. A diferença entre os dois casos é que van Gogh era um cineasta de verdade.






CINEMA CEARÁ

Curta Canoa abre inscrições para a sua 8ª edição

O Festival será realizado de 27 de novembro a 1º de dezembro na praia de Canoa Quebrada

Estão abertas as inscrições para o Curta Canoa 2012. O festival, que chega este ano à oitava edição, recebe material de audiovisual (filmes e vídeos) para a Mostra Competitiva até o dia 15 de outubro. O VIII Curta Canoa – Festival Latino-Americano de Cinema de Canoa Quebrada acontecerá de 27 de novembro a 1ª de dezembro na praia de Canoa Quebrada, Aracati, Ceará.
Realizadores de produções em curta-metragem de todo o país podem inscrever filmes e vídeos de documentário, ficção, animação ou experimental, com duração máxima de 20 minutos, concluídos a partir de julho de 2010, que poderão versar sobre qualquer tema.
Para inscrever-se, o interessado deve preencher e enviar a ficha de inscrição disponível no site: www.jalimaproducoes.com.br. A ficha preenchida deverá ser enviada via e-mail e o original deve ser impresso, assinado e remetido, em anexo, junto com o DVD da obra pelos Correios para o endereço: Rua João Cordeiro, 2391 – A – Altos – Bairro Joaquim Távora – Fortaleza, Ceará CEP: 60.110-301. A inscrição é gratuita.
A seleção será feita por uma comissão integrada por três pessoas, nomeadas pela diretoria do festival. As obras selecionadas serão divulgadas a partir de 10 de novembro no site do evento. No Curta Canoa 2012 serão agraciados com o Troféu Lua e Estrela os vencedores das mostras de Cinema e Vídeo Brasileiro. Categoria Filmes: Melhor Filme, Direção, Roteiro, Fotografia, Trilha Original, Direção de Arte, Melhor Ator, Atriz e Som. Na Categoria Vídeo: Melhor Vídeo, Direção, Roteiro, Fotografia, Trilha Original, Direção de Arte e Som.
Além das mostras competitivas de filmes e vídeos brasileiros de curta metragem, o Curta Canoa 2012 conta ainda com a Mostra Latino-Americana de Curta Metragem, de caráter não competitivo e compostas por vídeos e filmes convidados pela direção do festival. A programação terá também oficinas e seminários, além de encontros como especialistas e personalidades do segmento audiovisual.

Serviço
Curta Canoa 2012 – Inscrições abertas até 15 de outubro para o festival que acontecerá de 27 de novembro a 1º de dezembro de 2012 na praia de Canoa Quebrada, em Aracati, Ceará. O regulamento e a ficha de inscrição estão disponíveis no site www.jalimaproducoes.com.br. Info: 85-3251.1105 / 85-9635.3880 / 85-3226.0751. E-mail: adrianolima@jalimaproducoes.com.br e curtacanoa@jalimaproducoes.com.br.







Moana celebra três anos de Gastronomia & Arte   

Nova exposição exibe obras de Cardoso Júnior e Vando Figuerêdo

O restaurante Moana Gastronomia & Arte abriu ao público a exposição Moana 3 Anos, apresentando-: 3 Momentos de Cardoso Jr. e Vando Figueirêdo. A nova exposição marca os três anos de galeria da casa e terá 30 obras mostrando três fases distintas dos trabalhos de cada um dos artistas, que já expuseram individualmente no Moana. “Essa exposição é especial pra nós, que fazemos o Moana, porque marca os três anos desse projeto maravilhoso da galeria, que aproxima ainda mais as pessoas das artes plásticas produzidas no Ceará. Essa será a décima exposição em cartaz no restaurante. Nós estamos muito orgulhosos e agradecemos a todos os artistas que contribuíram com a sua arte, elevando e refinando nossos dias, olhares, almas...”, afirma Eduardo Sisi, chef e sócio do restaurante.

Desenhista, pintor, gravurista e escultor, Vando Figueirêdo foi o artista que estreou o projeto de galeria do Moana, em 2009. Para esta exposição, Vando apresentará 15 obras, criadas a partir de técnica mista, representando três fases distintas do seu trabalho. Serão cinco obras com motivos rupestres, cinco da série Diamante e cinco da série Recortes de Portugal, em que alude, através da pintura expressionista abstrata, às paisagens e cidades portuguesas que mais o marcaram.

O artista plástico, ilustrador e designer gráfico Cardoso Júnior também faz parte da história do Moana, onde expôs em 2010. Na exposição comemorativa dos três anos da galeria, Cardoso Júnior irá expor 15 obras, entre telas, recortes em MDF e guaches, onde se apresenta de forma constante um gestual forte e expressivo aliado a uma rica palheta cromática que imprimem força e movimento a suas pinturas. Serão cinco obras abstratas da série O Espaço Entre, cinco da série Música Para os Olhos e outras cinco da série Deus ex Machina.

Mona 3 Anos, Apresenta: 3 Momentos de Cardoso Jr. e Vando Figueirêdo tem curadoria de Cacau Brasil e ficará em cartaz até o final do ano, com horários especiais de visitação sem consumo pela manhã, das 09h às 11h, e à tarde, entre as 15h e as 17h.

Serviço

Exposição Moana 3 Anos, Apresenta: 3 Momentos de Cardoso Jr. e Vando Figueirêdo
Vernissage: 18 de setembro, para convidados
Abertura ao público: 19 de setembro
Local: Moana Gastronomia & Arte
Endereço: Avenida Beira Mar, 4260 – no Golden Flat Fortaleza
Mais informações: (85) 3263.4887
* Restaurante (almoço e jantar a la carte). Funciona das 12h às 1h.
* Galeria (visitação sem consumo). Funciona das 9h às 11h e das 14h às 19h. Entrada grátis 









Jorge Vecillo grava DVD  no Teatro José de Alencar
 

O cantor homenageia Fortaleza gravando nesta terça-feira com músicos cearenses
 

O cantor Jorge Vercillo grava seu novo DVD nesta terça, 18 de setembro, no Teatro José de Alencar. O repertório vai privilegiar canções menos conhecidas do compositor, além dos sucessos dos seus álbuns mais recentes DNA e Como Diria Blavatsky, com ênfase nesse último. Músicas como Arco Íris, Me Transformo em Luar, Memoria do Prazer, Me Leve a Serio e a nova Coragem (composta em homenagem a Dona Canô, mãe de Caetano Veloso) estão garantidas na apresentação. Complementando o show, teremos a participação de músicos cearenses e do Balé Edisca.
O DVD será dirigido por Darcy Burguer, produzido em parceria com o Canal Brasil e trará no extra, alguns clipes, inclusive com a participação de Raimundo Fagner, que revelam a paisagem cearense embalada pelo lirismo Vercilliano. A previsão de lançamento é para o primeiro semestre de 2013.
Paulo Façanha participará da música "Apesar de Cigano", fazendo parceria com Adelson Viana no acordeon. Ele convidará mais três vocalistas locais que participarão das músicas "Regressão" e "Quando Crescer”. Adelson Viana. Ítalo e Reno estarão das músicas "Nos Espelhos" e "Fácil de Entender"
Serviço:
Gravação do DVD de Jorge Vercillo
Theatro José de Alencar (Fortaleza-CE)
Dia: 18 de setembro (terça)
Horario: 20h30
Ingressos: Esgotados








Espetáculo da Paraíba vence o Festival de Guaramiranga 2012

"Anáguas" da Cia Oxente foi escolhido o Melhor espetáculo da Mostra Nordeste do 19º Festival Nordestino de Teatro; premiação aconteceu no Teatro Rachel de Queiroz

“Ánaguas”, da Cia Oxente, da Paraíba, foi a peça vencedora da Mostra Nordeste do XIX FNT - Festival Nordestino de Teatro de Guaramiranga, que terminou na noite deste sábado, dia 15, na cidade serrana do Ceará. O grupo foi agraciado com o troféu Beija Flor, concedido ao melhor espetáculo eleito pelo júri popular. O Festival teve início no sábado, 08, somando 25 espetáculos em diversas mostras e ações formativas. Da Mostra Nordeste participaram nove espetáculos de companhias de seis estados da Região.

Com texto de Lourdes Ramalho e direção de José Maciel, “Anáguas” discute de forma profunda uma relação familiar permeada de intrigas, rancores e ciúmes. Três mulheres - uma mãe e duas filhas – lutam, cada uma a sua maneira, para que suas convicções e crenças sejam aceitas como verdadeiras. Para isso são capazes de passar por cima de seus próprios egos, liberando o que há de mais cruel no ser humano: conflitos, desarmonia, egoísmo, injustiça e condenação permeiam o espetáculo do inicio ao fim, onde essas três mulheres mostram também suas fraquezas e se apóiam no próprio seio familiar.

Acompanhada pela filha, a atriz Mônica Macedo, que interpreta Maria Exaurina, em Anáguas, representou a Cia Oxente, recebendo o troféu de Melhor Espetáculo da mão de Sávio Araújo, um dos debatedores desta edição do Festival. A peça tem também no elenco as atrizes Margarida Santos (Maria das Graças) e Palmira Palhano (Maria Cândida).

O XIX FNT é apresentado pelo Governo do Estado do Ceará e realizado pela Associação dos Amigos da Arte de Guaramiranga – AGUA, com apoio cultural da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará/Secult - Lei Estadual de Incentivo a Cultura, Coelce e Fundação Cultural do Estado da Bahia. São parceiros do Festival: SESC/CE, SEBRAE, Quitanda das Artes,Prefeitura Municipal de Guaramiranga, Universidade Federal da Bahia/PPGAC e Instituto de Cultura e Arte da Universidade Federal do Ceará (ICA/UFC).









Fernanda Takai e Andy Summers se unem para fazer CD de bossa nova

Parceria entre a cantora do Pato Fu e o guitarrista do The Police traz versões feitas por Zélia Duncan e John Ulhoa

Fernanda e Andy: a dupla do álbum “Fundamental” deverá fazer show em Fortaleza, em outubro

O disco da artista mineira Fernanda Takai e do roqueiro inglês Andy Summers, já saiu nas lojas, e pode ser conferido na íntegra através do site Rádio Uol. O álbum “Fundamental” possui 11 músicas compostas pelo guitarrista da grande banda britânica The Police (de Sting) e tem grande influência da MPB, com um destaque para a Bossa Nova. Algumas músicas ganharam sua versão em português antes de serem gravadas, ficando apenas seis das suas faixas em sua língua original. Além de contar com Takai no vocal e Summers na guitarra e violão, o Fundamental também conta com a participação de John Ulhoa do Pato Fu, na faixa que dá nome ao álbum, e de Zélia Duncan que assina “Pra não esquecer (I remember)”, “Chuva no Oceano” (Teardrops in the Cea) e “Sorte no amor” (Music in Darkness) junto da Fernanda.O CD foi gravado e mixado no estúdio de Andy Summers, em Venice Beach, Los Angeles, e sofreu edições no Japão e em alguns países europeus. E como os dois se encontraram? Em 2009, quando gravava com Roberto Menescal (a quem o disco Fundamental é dedicado) o DVD United Kingdom of Ipanema, Summers ouviu, por intermédio do violonista e compositor carioca, gravações de Fernanda Takai. Pediu que Menescal a convidasse para gravar “Insensatez”. O encontro se deu num fim de tarde, no Rio de Janeiro. “Foi uma gravação especial numa noite, ao lado de uma lagoa com dois violões e chuva. Meu momento favorito no DVD com o Menescal”, afirma Summers.
Desde aquela época, ele falou com Fernanda que queria, posteriormente, gravar alguma coisa com ela. A cantora imaginou que o guitarrista e compositor, jazzista a despeito do trabalho com o Police e apaixonado por música brasileira, fosse lhe enviar um par de canções. Pois no fim de 2011 ele enviou 18 canções, todas já com letra, que havia composto especialmente para Fernanda. O convite não era para uma participação, mas para o registro de um álbum que levaria a assinatura dos dois. Houve um segundo envio de músicas e, até o início desse ano, Fernanda trabalhou nas versões (das 11 faixas, cinco são em português, com versões assinadas por ela, Zélia Duncan e John Ulhoa).
Em março, Fernanda embarcou para a Califórnia, onde passou nove dias no estúdio de Summers, em Venice Beach. Chegando lá, encontrou boa parte do material selecionado já gravado. As percussões foram feitas por Marcos Suzano e o baixo pelo veterano Abraham Laboriel. Ainda que a carreira solo de Fernanda tenha começado pela bossa nova (o álbum Onde brilhem os olhos seus, de 2007, baseado no repertório de Nara Leão) e que Summers seja um apaixonado pelo gênero, o CD Fundamental caminha por outras ondas. A faixa-título, que abre o álbum, é realmente uma bossa, mas, à medida que o trabalho se desenrola, ouvem-se acentos de baião (You light my dark) e rock (Falling from the blue). Tudo muito delicado, com letras sobre o amor.
De olho no potencial do mercado externo – o Japão, por exemplo, recebe Fundamental no próximo mês; Estados Unidos e Europa estão sendo negociados. Summers chega ao Brasil no início de outubro, para uma série de shows, que deverão ir até meados de novembro. Em 2013, Fernanda sai com ele em turnê pelo exterior.
Entre outubro e novembro, Andy Summers e Fernanda Takai vão fazer turnê brasileira de Fundamental. Por ora, estão agendados os seguintes shows, todos em outubro: Recife (dia 12), Fortaleza (dia 13), Brasília (dia 17), Niterói (dia 18), Juiz de Fora (dia 20) e Ipatinga (dia 27). Em Belo Horizonte, há duas reservas de datas: uma para 19 de outubro e outra para 28, caso a data anterior não se confirme. A banda será formada por Marcos Suzano (percussão), João Hermeto (percussão e bateria), Beto Lopes (violão e guitarra), Dunga (baixo) e Mariá Portugal (backing vocal).  Ainda não está confirmado o local de apresentação na capital cearense.





QUADRINHOS

“QUADRINHOS NO CINEMA” GANHA SEGUNDO VOLUME
 
Novo almanaque da Generale traz os heróis com destaque nas telonas em 2012


As adaptações das histórias em quadrinhos para o cinema atraem milhares de espectadores no mundo inteiro. Embalados por essas produções, Alexandre Callari, Bruno Zago e Daniel Lopes se reuniram mais uma vez para contar tudo sobre a trajetória do Juiz Dredd, Os Vingadores, Batman e Homem Aranha.

O livro Quadrinhos no Cinema – Volume 2, que a Editora Évora lança pelo selo Generale, é uma obra de referência completíssima para conhecer melhor os personagens que estão invadindo as telonas este ano. O livro inclui notas, curiosidades, biografia dos criadores, indicações das melhores histórias, entre outras novidades. Tudo reunido em um volume ricamente ilustrado e colorido.

Especialistas no assunto, os autores são proprietários de coleções de HQs e filmes, e editores do site especializado no assunto, Pipoca e Nanquim. Eles afirmam que a obra é atrativa tanto para os fãs obcecados que sabem tudo sobre super-heróis, quanto para os iniciantes.  Os autores apresentam curiosidades que facilitam a compreensão dos filmes até mesmo para quem nunca leu essas HQs antes.

A coleção Quadrinhos no Cinema foge à regra comum da maior parte dos almanaques, pois oferece bom conteúdo temático, com profundidade e linguagem fácil e acessível. O leitor consegue entender as razões do sucesso de cada personagem e os autores apresentam curiosidades que facilitam a compreensão dos filmes.

No primeiro volume, o trio contou a história do Lanterna Verde, Thor, Capitão América e Conan, personagens que ganharam as telas em 2011 e que podem ser revistos em DVD ou na sessão nobre de algum canal de TV. Agora os rapazes vão destrinchar os heróis da vez: Juiz Dredd (IPC), Os Vingadores, que é a reunião dos super-heróis Hulk, Thor, Capitão América e Homem de Ferro (Marvel), Batman (DC Comics) e Homem Aranha (Marvel).

O minucioso trabalho de Callari, Lopes e Zago resulta nesse livro repleto de peculiaridades das maiores editoras de quadrinhos do mundo. Quadrinhos no Cinema – Volume 2 é um compêndio que reúne uma gama de informações  sobre os heróis em pauta, editado no Brasil e à venda em todas as livrarias.

SOBRE OS AUTORES
Alexandre Callari graduou-se em Letras. É escritor, tradutor, palestrante e aficionado por cinema e quadrinhos. No passado, também trabalhou com música e artes marciais. É autor de seis livros, incluindo Apocalipse zumbi: os primeiros anos, o primeiro do gênero de um autor brasileiro e tradutor de Conan – o Bárbaro (ambos da Ed. Évora). Proprietário de uma coleção de 14 mil quadrinhos antigos, Callari viaja frequentemente pelo país fazendo exposições de suas edições raras. É editor e apresentador do site Pipoca & Nanquim, onde faz o que realmente adora: falar de cinema e de quadrinhos. Atualmente é editor das revistas da DC Comics no Brasil.

Bruno Zago é graduado em Publicidade e Propaganda e possui pós-graduação em Marketing-MBA em Gestão de Marcas. Leciona Marketing e também atua como profissional da área no desenvolvimento e na criação de peças publicitárias.  Sempre foi fã de cinema e de histórias em quadrinhos e, obviamente, é colecionador compulsivo das duas coisas – filmes e HQs, paixão que o levou a fundar o programa Pipoca e Nanquim, em 2009, onde atua como editor e apresentador.

Daniel Lopes é graduado em Ciências Econômicas pela Unesp. Na metade do curso, notou que poderia unir o útil ao agradável e passou a estudar o mercado editorial de HQs. Concluiu seus estudos com a tese Constituição e dinâmica recente do mercado de histórias em quadrinho no Brasil. Apresentador e editor do site Pipoca e Nanquim, com os dois amigos mencionados, no qual discorrem sobre cinema e quadrinhos. Sempre investe a maior parte do seu tempo e orçamento em suas coleções de quadrinhos, LPs e filmes. Atualmente é editor-assistente das revistas da DC Comics e Vertigo no Brasil.


Ficha Técnica:
Descrição: capa do livro "Quadrinhos no Cinema 2" - SOBRE O LIVRO
Título: Quadrinhos no Cinema – Volume 2
Subtítulo: O guia completo dos super-heróis
Autores: Alexandre Callari, Bruno Zago e Daniel Lopes
Preço: R$ 69,90
Páginas: 336
Formato: 16 x 23 cm
ISBN: 978-85-63993-39-7
Edição: 1ª
Acabamento: Brochura


 




BELEZA

Sabonete e lama do Mar Morto combatem poros dilatados

Nutrientes do Mar Morto contribuem para limpar os poros e minimizar a oleosidade da pele

O uso de cosméticos faciais é fundamental para manter a saúde da pele e evitar manchas, acne e excesso de oleosidade. Os produtos de beleza também são importantes para combater outros inimigos: os poros dilatados. O problema é mais frequente em pessoas que tem a pele oleosa. A dilatação dos poros facilita o acúmulo de impurezas, deixa a superfície da pele com textura irregular, sem brilho e com aspecto gorduroso.

O alargamento dos poros é mais comum durante o calor, mas também pode ocorrer durante o frio. As temperaturas quentes aumentam a quantidade de suor e a oleosidade da cútis. A dilatação ocorre por causa do aumento das glândulas sebáceas e da secreção de sebo. A função dos poros é hidratar e manter a temperatura da pele e são pontos de onde a secreção sebácea e os pelos saem.

Quando os poros abrem e ficam visíveis há mais riscos de proliferação de bactérias, favorecendo inflamações e lesões de acne se a pessoa tiver predisposição. Muitos casos de poros dilatados não apresentam acne. O tratamento inclui o uso de produtos que ajudem a controlar a oleosidade, limpezas de pele e o uso de sabonetes específicos para pele oleosa.

Cosméticos do Mar Morto ajudam no tratamento
De acordo com Ricardo Prado Filho, sócio-diretor do Grupo Pura Vida, o Sabonete Lama do Mar Morto e a Lama Corporal do Mar Morto Black, ambos da Aromatics e importados de Israel pela Pura Vida imports, são cosméticos eficazes no tratamento dos poros dilatados. "Os sais minerais do Mar Morto tem uma excelente ação hidratante, calmante e antisséptica e contribuem para a renovação celular", explica.

As propriedades medicinais do Mar Morto são indicadas para o tratamento de doenças reumáticas e articulares, psoríase, acne e absorção da oleosidade. "Os nutrientes ainda estimulam a circulação sanguínea, nutrem as camadas superficiais da pele e minimizam os danos causados pelos radicais livres", ressalta. A pele fica mais elástica, com menos manchas e com mais colágeno.

O sabonete é vendido em barras de 130 gramas pela Skin Shop Cosmetics. Ele limpa profundamente a pele e proporciona uma esfoliação suave. Antes de usar o sabonete, a pele deve ser limpa para que os nutrientes possam ser absorvidos com mais facilidade. Após o uso, a região deve ser lavada em água corrente. "O Sabonete Lama do Mar Morto pode ser usado em todo o corpo, inclusive no rosto", aponta.

A Lama Corporal do Mar Morto Black também carrega todos os benefícios do Mar Morto para a pele. A lama pode ser usada em casa, já que o procedimento é fácil e não exige grandes recursos. Basta espalhar o produto pelo corpo e deixar agir por 20 minutos. O enxágue deve ser feito com água morna. Após secar a pele, é recomendado o uso de uma loção corporal. "Os sais minerais do Mar Morto ainda estimulam a renovação celular, contribuindo para o rejuvenescimento", acrescenta.








CINEMA NACIONAL

Nova produção espírita “E a Vida Continua...” terá lançamento no cinema UCI Ribeiro Iguatemi

Filme conta com Lima Duarte no elenco: a capital cearense é a única do Nordeste que receberá a grand premiére com a presença de produtor e elenco

Baseado na obra de Chico Xavier, pelo espírito André Luiz, o longa metragem “E a Vida Continua...” terá pré-estreia especial em Fortaleza nesta quinta, às 20h30. A sessão para convidados vai ser realizada no Shopping Iguatemi e terá a presença dos atores Amanda Acosta, Luiz Carlos Félix e Ana Rosa, além do produtor executivo, Oceano Vieira.
O filme traz ainda no elenco Samantha Caracante, Ana Rosa, Rosana Penna, Luiz Carlos de Moraes, Rui Rezende, Ana Lúcia Torre, Cláudia Mello, Arlete Montenegro, Rosana Penna, Ronaldo Oliva, Cesar Pezzuolli, Carla Fioroni, além de uma participação muito especial de Lima Duarte.
O ator, roteirista e co-diretor de vários especiais de fim de ano de Roberto Carlos, na TV Globo, Paulo Figueiredo, assina a direção do filme. A história é baseada no best-seller espírita “E a Vida Continua...”, de 1968, pelo espírito André Luiz, psicografado por Chico Xavier. Trata-se do 13º e último livro da série “A Vida no Mundo Espiritual”.
Aclamado como “o filme espírita do ano”, “E a Vida Continua...”  conta a história de Evelina (interpretada por Amanda Acosta), uma bela jovem que é socorrida na estrada pelo gentil Ernesto (papel de Luiz Baccelli), após problemas com seu carro. Evelina logo fica sabendo que tanto ele como ela estão indo exatamente para o mesmo hotel. Coincidência? Talvez, mas Ernesto não acredita em coincidências. Imediatamente Evelina e Ernesto desenvolvem uma amizade tão sólida que persistirá quando ambos passam para o outro lado da vida.
 “E a Vida Continua...” é uma produção da Versátil Digital Filmes e VerOuvir Produções Artísticas, com distribuição da Paris Filmes. Estreia em todo o Brasil na próxima sexta, dia 14 de setembro.








EXPOSIÇÕES

Parque Temático “Mundo Jurássico” chega ao North Shopping

Exposição reúne réplicas de dinossauros em tamanho real e poderá ser visitada no estacionamento externo

O North Shopping Fortaleza está recebendo em curta temporada, o Parque Temático Itinerante Mundo Jurássico – um passeio pelo mundo dos dinossauros que irá encantar adultos e crianças. Montado em uma área de cerca de 1 mil e quinhentos  metros quadrados no estacionamento externo do shopping (próximo à entrada do Supermercado Super Lagoa), o parque reunirá réplicas de dinossauros em tamanho real, com som e movimentos, em um cenário que irá proporcionar aos visitantes a sensação de viajar no tempo e conhecer o habitat natural dessas incríveis figuras pré-históricas.
São dinossauros robôs gigantes montados cenograficamente como se estivessem vivos – com som e movimento, em escala real. Além das réplicas, o parque oferecerá outras atividades, como sala de cinema, exposição de fósseis e uma área interativa com jogos, simulação de escavações, loja de lembranças, fotos exclusivas dos dinossauros, entre outras atrações.
O evento está no Brasil há 3 anos – tendo passado por mais de 20 grandes cidades brasileiras, como Belém, Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Curitiba, Belo Horizonte, Salvador, Recife e Manaus .
Para tornar o passeio didático e divertido, a exposição contará com guias treinados, totens ilustrativos e textos sobre a história da vida antes do homem, dos dinossauros, da sua classificação, dos fósseis e muitas outras curiosidades. O trabalho de produção do parque envolve técnicos especialistas em montagens de cenários cinematográficos, cenógrafos, museólogos e arquitetos que criaram o visual e funcionamento de todo o aparato da exposição. O Mundo Jurássico conta ainda com o aval técnico do renomado paleontólogo Alexander Kellner, que tem diversos livros publicados e estará em Fortaleza , em data a ser confirmada, durante a realização da exposição.

SERVIÇO:
“MUNDO JURÁSSICO” no North Shopping Fortaleza
Local: Estacionamento externo, próximo à entrada do Super Lagoa.
Horário de Funcionamento: de terça-feira a sábado, das 14h às 22h; domingos e feriados das 12h às 20h
Venda de Ingressos: Na bilheteria do evento no local e no stand de vendas no North Shopping Fortaleza.
Informações: (85) 3052-9900 / 3404-3000 / www.mundojurassico.com.br / www.northshoppingfortaleza.com.br
INGRESSOS: De terça a sexta-feira: R$ 15,00*
Sábados, domingos e feriados: R$ 20,00*
Pacotes Família: Terça a sexta-feira: três pessoas pagam R$ 45,00, quatro pessoas, R$ 60,00 e cinco pessoas, R$ 75,00
Sábados, domingos e feriados: três pessoas pagam R$ 60,00, quatro pessoas R$ 80,00 cinco pessoas R$ 100,00
*Preços referentes à meia-entrada válida para crianças até 12 anos, estudantes e pessoas com mais de 60 anos.









ARTES PLÁSTICAS, ARQUITETURA, DESIGN, FOTOGRAFIA

Os desenhos de Roberto Burle Marx
 
Mostra revela mais esse talento do artista no novo Centro Cultural da Caixa, na Praia de Iracema


Um acervo de 78 desenhos produzidos pelo artista Roberto Burle Marx entre 1932 e 1942 compõe a exposição “Roberto Burle Marx: Cenas”, que estará em Fortaleza pela primeira vez de 11 de setembro a 14 de outubro, nas galerias 1 e 2 da CAIXA Cultural Fortaleza, com acesso gratuito. O material inédito que utiliza técnicas diferenciadas sobre o papel, entre grafite, pastel e nanquim, faz parte de acervo exclusivo formado por mais de 3 mil peças tombadas do sítio Roberto Burle Marx, unidade especial do Instituto do Patrimonio Histórico e Artístico Nacional – (IPHAN) e Ministério da cultura.
O foco principal da exposição está na mostra de cenas rurais e urbanas por meio da representação de figuras humanas e da paisagem natural. São recorrentes as imagens da natureza tropical, da arquitetura urbana e figuras do povo como lavadeiras, crianças, músicos e fuzileiros.
A exposição está dividida em dois conjuntos, sendo o primeiro referente às primeiras expressões do artista sobre o Nordeste brasileiro e as espécies vegetais tropicais realizadas em 1932. No segundo grupo, essencialmente em nanquim e com o traço estilizado, as figuras humanas brasileiras e suas cenas diárias estão desenhadas em silhuetas, produzidos na década de 1940.
Das tonalidades em pastel à força do preto e branco estes desenhos demonstram que o artista plástico Roberto Burle Marx estava conectado com modernidade da época, trabalhando com estilo próprio, libera seu traço à abstração de forma singular e com muita firmeza. Esta exposição permeia entre o traço definido da natureza até uma forma abstrata do ser humano.
Serviço:
Exposição “Roberto Burle Marx: Cenas”
Data: 11 de setembro a 14 de outubro
Horário: de terça-feira a domingo, das 10h às 20h
Entrada Franca










Biografia do pai de Amy Winehouse revela intimidade da cantora

Inspiração para o disco "Frank" e outras curiosidades estão em“Amy, minha filha” lançado pela editora Record: venda  do livro será revertida para tratamento de drogados

 

Sensação do pop, soul e jazz mundial, a cantora foi encontrada morta aos 27 anos em Londres

 

Conhecida por deixar nas letras de suas músicas a dor e a alegria de seus relacionamentos amorosos, Amy Winehouse também utilizou o método que a consagrou em "Back to Black" como inspiração para escrever as canções de "Frank", seu álbum de estreia. Quem confirma é o próprio pai da cantora, Mitch Winehouse, autor da biografia "Amy, Minha Filha" (Editora Record), lançada no Brasil em agosto. A descoberta do corpo falecido da cantora na residência no bairro de Camden, em Londres, completou um ano.
Se no segundo disco de Amy o namorado-encrenca Blake Fielder-Civil era celebrado no contexto de faixas como "You Know I'm No Good" e "Tears Dry On Their Own", o primeiro álbum da cantora britânica foi o espaço encontrado por ela para dar vazão a outra desilusão amorosa, segundo o pai: Chris Taylor, um jornalista que trabalhava na agência de notícias online World Entertainment News Network (WENN), onde Amy chegou a trabalhar antes de a carreira deslanchar. O namoro dos dois durou apenas nove meses, mas foi o suficiente para deixar a jovem cantora arrasada. Mas, para Mitch, aquele primeiro impacto do amor foi decisivo para motivar a criatividade de Amy.
A revelação é feita no terceiro capítulo da biografia, quando o pai da artista conta como Amy entrou para a National Youth Jazz Orchestra (NYJO), projeto que revela jovens talentos para cantarem com "big bands" de jazz em grandes palcos britânicos. Amy se juntou ao grupo logo após deixar a escola de teatro de Sylvia Young, responsável por ajudar na trajetórias de outros artistas como Emma Bunton, a "Baby" das Spice Girls, e Tom Fletcher, músico da banda teen McFly. O ano era 1999 e Sylvia, que mantivera contato com Amy, comentou sobre a então adolescente de 16 anos com o diretor musical e fundador da NYJO, Bill Ashton. O objetivo era fazer com que a garota passasse por um teste, mas Ashton afirmou que Amy deveria simplesmente aparecer por lá. A primeira chance de integrar o coro da orquestra surgiu quando uma das cantoras não pôde se apresentar. Sem sentir a pressão da estreia e mesmo com pouco tempo para decorar as músicas, Amy foi bem-sucedida e começou a se apresentar regularmente com o grupo. Foi lá onde ela participou de uma de suas primeiras gravações.
Mitch chega a dizer no trecho que a voz da filha em "The Nearness of You", clássico de 1938 cantado por Amy durante os dias na NYJO, superou a versão de lendas do jazz e da música popular norte-americana como Frank Sinatra e Ella Fitzgerald.
Mas o encontro com Chris Taylor aconteceria somente mais tarde, quando Amy já havia feito contatos na área musical como Nick Godwyn e Nick Shymansky, da agência de relações públicas Brilliant!, empresa vendida depois à 19 Management, grupo do empresário SimonFuller, responsável pelo sucesso das Spice Girls. Os contratos de Amy com as duas companhias foram assinados por Mitch e Janis, a mãe da cantora, pois Amy ainda era menor de idade. Amy estava perto de completar 18 anos e resolveu arranjar um emprego diurno como escritora de roteiros na empresa onde Chris trabalhava. A dupla começou a andar junta e, segundo o pai, os dois se tornaram inseparáveis, com Amy apresentando um semblante feliz e um jeito de andar "mais animado". O fim da história de amor ocorreu, na opinião de Mitch, por conta da personalidade forte da filha, que Chris supostamente não aguentou. Segundo o pai, Amy mandava no relacionamento e o jornalista, "apesar de bom sujeito", não era o tipo de homem que conseguiria "segurar" a cantora. O trecho ainda destaca elogios ao desempenho da cantora no palco feitos por Annie Lennox, que a viu se apresentar no claustrofóbico Cobden Club, em Londres, no ano de 2002. "Sua filha vai ser famosa, uma grande estrela", disse Annie aos pais de Amy, segundo o relato de Mitch. A aposta era a mesma da 19 Management, que recomendou aos pais de Amy que a cantora assinasse contratos com empresas diferentes, já que havia muitas interessadas em gerir a carreira da artista em ascensão.
Foi quando surgiu Guy Moot, representante do departamento de artistas e repertório da EMI, gravadora que colocou Amy ao lado de Salaam Remi e Commissioner Gordon, produtores do álbum "Frank". Era a oportunidade da cantora finalmente colocar em áudio tudo o que ela havia aprendido com Chris. Pouco tempo depois, Amy deixaria a 19 Management para ingressar na Metropolis Music, na mesma época em que encontrou o produtor Mark Ronson, que ajudou a cantora a conceber parte do material que iria formar o disco "Back to Black", que ascendeu Amy ao patamar de nova diva do soul no mundo. Essa parte da vida de Amy foi revelada pela revista Rolling Stone, que divulgou na íntegra um outro trecho da biografia escrita por Mitch Winehouse. No trecho mais marcante, Amy conta a Ronson, durante uma caminhada pelas ruas de Nova York: "eles tentaram me fazer ir para a clínica de reabilitação, mas eu disse a eles não, não, não". A frase virou o refrão do primeiro sucesso de Amy, "Rehab".
Escrito com o objetivo de arrecadar fundos para a Amy Winehouse Foundation, organização criada por Mitch para lidar com jovens com problemas com drogas e álcool, a biografia contou com material fornecido pela própria cantora, que escrevia ao pai regularmente. Publicações britânicas como o jornal "The Guardian" destacam a parte final da obra, que mostra o desespero do pai ao notar que sua filha se perdia no vício. Já os fãs poderão tirar suas próprias conclusões daqui a duas semanas, quando o livro chegará em versão traduzida ao Brasil, com 380 páginas de confissões e relatos do pai de Amy, figura marcante na trajetória da artista britânica.





+ LIVROS NÃO-FICÇÃO

Ex-vocalista do Ira! lança autobiografia

“A Ira de Nasi” revela sua versão para o fim da banda de rock

Cinco anos depois de uma separação violenta, com direito a brigas, interdições judiciais e xingamentos públicos, Nasi, 50, ex-vocalista do Ira!, lança no próximo dia 10 um livro sobre sua vida no qual dá sua versão para o fim de uma das mais queridas bandas do rock brasileiro.
"A Ira de Nasi", escrito pelos jornalistas Mauro Beting e Alexandre Petillo, conta as histórias de Nasi e do Ira!, sem poupar ninguém -especialmente o próprio Nasi. "A única coisa que não queria era fazer um livro chapa-branca", diz o cantor. "Fiz muita merda, tenho consciência disso. Por isso mesmo coloquei na capa uma foto em que apareço com um lado do rosto iluminado e outro escuro: para mostrar que todo mundo tem seu lado negro."
Nasi conta que não planejava lançar uma biografia, mas que recebeu o convite da editora Belas-Letras e achou que seria uma boa oportunidade de contar sua história. Inicialmente, ele procurou o jornalista Alexandre Petillo, que havia trabalhado longamente em uma biografia do Ira!, nunca lançada por causa do fim da banda. Mas Petillo havia se mudado para o interior de São Paulo. Nasi convidou então Mauro Beting para escrever o livro, usando como base pesquisas de Petillo e adicionando suas próprias investigações sobre os motivos da separação do Ira!. Segundo Nasi, o livro é um relato honesto e imparcial dos 26 anos do Ira! e de seus 50 anos de uma vida atribulada e cheia de momentos dramáticos. "Há histórias ali que nem pessoas próximas da banda conheciam", diz.
Uma dessas histórias, que deixou marcas profundas, foi o romance de Nasi com uma então namorada de Edgard. Segundo o livro, Edgard chegou a ameaçar "quebrar a cara" de Nasi e abandonar o grupo, em 1995. "Esse triângulo amoroso foi uma chaga na vida do Ira!", diz Nasi. Mas nenhuma história chega perto do caso de Nasi com uma moça cuja família fazia parte de uma perigosa quadrilha de estelionatários que fraudava o INSS.
É uma trama policialesca de primeira, com direito a sequestros, ameaças de morte, tortura e até magia negra. "Pouca gente sabe, mas a banda quase acabou por causa desse episódio", conta. O envolvimento do cantor com drogas também é relatado em detalhes: "Eu assumo tudo de errado que fiz, não tenho problema nenhum em contar o que aconteceu". Ele diz que chegou a ser ameaçado de morte por ter contraído uma dívida imensa com um traficante e se internou voluntariamente numa clínica em 1997 para curar sua dependência de cocaína.
"Minha casa virou a meca da coca", conta Nasi no livro, em que relata visitas de figuras ilustres como o músico australiano Nick Cave e Sebastian Bach, vocalista do grupo de hard rock Skid Row, e que, segundo Nasi, acabou "se apaixonando" pelo traficante que abastecia a casa. Nasi diz não ter ideia de como será a reação de seus ex-companheiros do Ira! ao livro: "Minha única preocupação foi contar a verdade e falar dos fatos, sem julgar ninguém". Mas ele admite que faltou maturidade à banda: "A relação profissional do Ira! sempre foi muito infantilizada. Todo mundo tem responsabilidade pelo que aconteceu. Sabe, os Rolling Stones estão aí há 50 anos. Eles não aguentam nem olhar para a cara uns dos outros, mas souberam ter uma relação profissional adulta e pensar na banda antes de tudo. E isso, nós nunca soubemos".

 

 

 

 

MÚSICA

Marcelinho da Lua, o David Guetta da MPB

João Donato, Mart’nalia, Adriana Calcanhoto, Martinho da Vila, Paralamas e Gaby Amarantos estão no novo CD “Viagem ao Mundo da Lua”, lançamento da Deckdisc
 
Leva o simpático nome de Viagem ao mundo da Lua um CD que rejuvenesce a música popular brasileira, com elegância e sem desfigurá-la. O autor da façanha é Marcelinho da Lua. “Não sou cantor. A Wikipédia está errada”, brinca o artista, preferindo, se definir como DJ e produtor. Ele foi roadie de banda e depois técnico de som, trabalhou no estúdio de Roberto Menescal e ali, com Márcio Menescal e Alexandre Moreira, fundaria, em 1997, o Bossacucanova. Mesclou hip-hop, rock e eletrônica com o som de personalidades da MPB como Wanda Sá, Tito Madi e Carlos Lyra, entre outros. E a música popular brasileira nunca mais foi a mesma.
Viagem ao mundo da Lua revisita os dois primeiros (e premiados) discos de Marcelinho da Lua – Tranquilo (2004) e Social (2007). João Donato, Mart’nalia, Adriana Calcanhoto, Martinho da Vila, Paralamas e Gaby Amarantos estão no disco. E o moço é atrevido: faz ainda remix de Cotidiano e Essa moça tá diferente, de Chico Buarque; e Refazenda, de Gilberto Gil, além de entregar a Gaby Amarantos o clássico Águas de março, de Tom Jobim. E o resultado é muito bom, tem frescor. No mínimo, fica interessante. “Não é estética só do som, só da música ou apenas do intérprete. Tem concepção, articulando cada faixa”, explica. “A proposta é uma viagem.”
E ele continua: “Remix é reconstrução, é arranjo também. Faço cada um deles a partir de uma concepção, escolhendo o que vou usar nas músicas, o trabalho tem pensamento”. Sobre o modo de trabalhar, conta que pesquisa, ouve coisas no YouTube, compra música no iTunes, baixa muita coisa. Acrescente-se que ele tem cerca de 7 mil discos de vinil, mais do que pode ouvir durante uma vida inteira, diverte-se. “Não sou sintético, só de sintetizador. Gosto de misturar o digital e o analógico, de colocar as duas coisas juntas, do atrito, e chegar a uma harmonia. Às vezes a batida é antiga, ou é nova e o intérprete antigo, e vice-versa.”
As faixas do CD são construções musicais, mais que simplesmente arranjos. Brincam de forma lúdica com o suingue, com batidas de épocas diferentes, som digital e de vinil, gêneros de ontem e de hoje, artistas veteranos ou recém-surgidos. Marcelinho da Lua convida tanto “ao senta, relaxe e ouça” quanto ao “deixa cair e vamos dançar”. “Gosto de jogar a favor do intérprete. E também de fazer provocações, criando surpresas que façam com que sintam estão no lugar deles e também num contexto novo”, conta o músico, sonhando com o convívio civilizado entre os diferentes e a possibilidade de escolha. “É o mais interessante do nosso tempo”, garante.
“O Brasil está mais espalhado. A cena do Pará é interessante, a de São Paulo vai bem, a Bahia está fugindo dos clichês. Tem as orquestras, a world music, que está cada vez mais plural – conhecemos coisas do Mali, dos Balcãs. A indústria fonográfica está buscando novas saídas. Você pode ouvir um concerto eletroacústico ultramoderno e uma filarmônica. Há possibilidade de gravar junto no esquema mais antigo ou fazer tudo sozinho. Estamos chegando mais fácil à grande mídia, apesar de ela continuar sendo o que sempre foi. Tudo isso cria panorama forte, estimulante. Uma coisa de que sinto falta é de lojas de disco, especialmente de vinil, que existem cada vez menos. É a internet que tem permitido isso.”  ***** 5 ESTRELAS / Excelente

 

 

 

TOP DVD

“Jovens Adultos” chega às locadoras trazendo humor negro

Lançamento da Paramount, filme com a atriz Charlize Theron vale a pena ser visto

O humor negro e politicamente incorreto parece ser uma das ferramentas preferidas do diretor Jason Reitman, que vem se destacando nos últimos anos. Só que até agora ele não conseguiu repetir o êxito de seu primeiro filme, o ácido e hilário "Obrigado por Fumar", nem mesmo com o clássico aborrecente "Juno" e muito menos com o altamente comercial "Amor sem Escalas". Mas em "Jovens Adultos", ele surge novamente relevante com o tema "tudo isso é muito errado", configurando situações improváveis e simplesmente cômicas demais para não serem levadas a sério. Mas o mérito desse acerto não é só dele. Diablo Cody repete a parceria com o amigo diretor depois do estrondoso sucesso de "Juno". Seu roteiro dessa vez abandona as adolescentes para falar de algo mais próximo dela própria: uma escritora de obras somente para adolescentes.
Mavis Gary é uma ghost writer de Minneapolis, Minnesota. Ela é a responsável por todos os livros da série juvenil (por lá o termo é "young adult", sacou?) "Waverly Prep", que vendeu bem em um passado recente, mas que agora está em vias de fato. Divorciada e com 37 anos, Gary tem como missão escrever o capítulo final desta estudante heroína que, "coincidentemente", apresenta semelhanças incríveis com a escritora pirada. É a finalização de um extenuante trabalho pelo qual ela não recebeu reconhecimento algum. Coisa leve.
A verdade é que a mulher se encontra em uma crise existencial alicerçada por uma arrogância latente e muita falta de noção corrosiva. Tentando se sentir bem como um dia já esteve, ela parte para sua cidade natal, Mercury (único lugar onde é uma celebridade), buscando reatar com seu ex-namorado Buddy Slade, que está casado, feliz e que se tornou pai recentemente.  Ela pensa que Buddy está sofrendo com essa situação, na verdade está convencida disso, sempre reafirmando que sua "alma gêmea" vive em uma prisão. Esses sensatos pensamentos lhe ocorrem enquanto a mesma se afunda no seu apartamento que parece um lixão, sempre bêbada e assistindo os piores reality shows que existem por estes lados da galáxia. Um modo de vida fracassado que revela uma "pequena" ironia em seus argumentos. Todos os escritores são malucos (fato!) e ela não foge dessa regra, pois evidentemente está misturando as realidades em que vive, saindo do livro ou entrando nele, vice e versa.
E toda esta antipatia resulta, é claro, em situações totalmente inconvenientes, com pessoas de bem tendo que lidar com os chiliques da garota doida da cidade grande. Durante todo a fita somos conduzidos, avidamente, ao instante em que Gary quebrará sua cara de forma exponencial, uma ironia satisfatória no final das contas.
O fato é que "Jovens Adultos" é um filme muito diferente. Sua proposta em momento algum é agradar ou passar alguma lição de moral, aprendizado de vida e essas coisas. Se está esperando por isso, esqueça. O interessante roteiro faz o caminho inverso de quase tudo que tem sido feito em Hollywood ultimamente, montando uma personagem principal vilã, egocêntrica, hipócrita, maluca, detestável... mas extremamente engraçada. Um retrato deprimente da rainha do baile que todos odiavam. Não existe empatia ou afeto por Gary, ela é o caos em pessoa e merece sofrer (fato, novamente!). Se você gostar dela é porque é igual a ela, e daí não tenho nada mais a dizer.
O estilo indie de se fazer cinema é a marca registrada de Reitman, que entrega sempre um trabalho clean, leve, de fotografia eficiente, andamento fluido e orgânico, bonito de se ver. Sua direção antenada se une com perfeição ao texto de qualidades únicas de Diablo Cody. Realmente uma parceria de sucesso.
Charlize Theron andava meio sumida, mas voltou com excelência dando vida a sua Mavis Gary. Sem ter nenhuma piedade com o papel interpretado, ela entrega uma mulher com tantos problemas que fica difícil enumerá-los, um caso aparentemente sem solução. Pattoon Oswalt talvez seja um dos maiores destaques com seu Matt Freehauf, um nerd que sofreu muito na adolescência - ele foi espancado por pensarem que fosse gay, carregando sequelas dessa agressão pelo resto da vida. E Patrick Wilson faz o caipira Buddy Slade, um cara gente fina que definitivamente não serve de príncipe encantado, principalmente de sua ex-namorada do ginásio a qual não via a muitos e muitos anos.
"Jovens Adultos" não vem para agradar. Seu humor é incorreto e pode ser decepcionante para uma parcela do público, que espera algo tradicional destes filmes, como finais felizes cheios de explicações e resoluções morais. Aqui as coisas vão de mal a pior, como a vida real, e nada muda da noite para o dia. Vale a pena assistir.

 

 

 

  

CINEMA NACIONAL

Cineclube Avenida exibe "Os Inconfidentes"
  
Filme dá continuidade a Mostra Joaquim Pedro de Andrade

A Mostra Especial Joaquim Pedro de Andrade - 80 Anos, promovida pelo Cineclube Avenida, continua na terça-feira, 11/9, com a exibição de "Os Inconfidentes" (1972). A sessão tem entrada franca e começa às 19h, no Cineclube Avenida (subsolo do Shopping Avenida, na Av. Dom Luiz, 300). A apresentação do filme será seguida de debate. Depois de exibir "Garrincha, Alegria do Povo", o Cineclube Avenida dá prosseguimento à Mostra Especial Joaquim Pedro de Andrade, dedicada à obra de um dos maiores nomes do cinema brasileiro, nos 80 anos desde o nascimento do diretor. Nesta terça-feira, 11/9, o público assistirá a "Os Inconfidentes", filme originalmente lançado em 1972, mas de divulgação dificultada pelo regime militar.
"O filme passou pela censura prévia, mas sofreu censura de exibição", destaca o cineasta cearense Francis Vale, coordenador do Cineclube Avenida. "A ditadura optou por não cortar cenas do filme, porque o roteiro se baseia nos Autos da Devassa, os processos em que os inconfidentes foram condenados, e em poemas da escritora mineira Cecília Meireles. Mas, em vez disso, o regime sabotou a distribuição e a exibição do filme, que permanece conhecido por poucos, mesmo tantos anos depois de seu lançamento", detalha Francis, ressaltando a oportunidade de o público cearense assistir à obra, dentro da Mostra Especial Joaquim Pedro de Andrade - 80 Anos.
"Dar ao público acesso a produções como essa é mais um dos objetivos do Cineclube, além de divulgar a produção audiovisual cearense. Todos estão convidados para conferir o segundo filme da Mostra Especial dedicada à obra do grande Joaquim Pedro", acrescenta Francis Vale, apontando que "Macunaíma" será a próxima produção em destaque. E frisando que, como é de praxe no Cineclube Avenida, a exibição de "Os Inconfidentes", nesta terça-feira, 11/9, será seguida de debate sobre o filme.
Drama histórico coproduzido por brasileiros e italianos, "Os Inconfidentes" se tornou um contraponto a outro filme lançado em 1972 - "Independência ou morte", que destacava com abordagem ufanista os 150 de independência do Brasil. Já "Os Inconfidentes" retratava o autoritarismo da Coroa Portuguesa, em uma metáfora do regime militar. O filme conta com atores como José Wilker (no papel de Tiradentes), Paulo César Pereio (Alvarenga Peixoto) e Susana Gonçalves (rainha de Portugal) e recebeu o troféu da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA). Também foi premiado no Festival de Veneza.
O Cineclube Avenida conta com modernos equipamentos de exibição digital. A sala de exibição, com capacidade para 70 pessoas, é climatizada e oferece excelentes condições técnicas para as apresentações de filmes e os debates. A programação do espaço conta com exibições quinzenais, com destaque para documentários, curtas-metragens e para a produção audiovisual cearense.

 

 

 

 

FOTOGRAFIA

Exposição faz uma retrospectiva do trabalho de Ricardo Schmitt

Com 44 anos de carreira, o carioca que escolheu o Ceará como lar, Ricardo Schmitt, rememora sua trajetória profissional e fatos marcantes na história do país registrados através das suas lentes na exposição Ricardo Schmitt - Documenta. Serão mais de 40 fotografias expostas na galeria Antônio Bandeira, localizada no Centro de Referência do Professor, de 10 de setembro até o dia 31 de outubro. No dia da abertura, haverá coquetel para convidados a partir das 19h.
A exposição é o resultado do prêmio do Edital das Artes 2010, da Secretaria de Cultura de Fortaleza (Secultfor) e conta com a curadoria da Lumiar Comunicação e Consultoria. “Nosso objetivo é documentar o trabalho de Ricardo Schmitt, nome importante na consolidação da fotografia em Fortaleza, principalmente nas décadas de 70 e 80. Ele atuou de forma incisiva no fotojornalismo e na moda, além da publicidade, alcançando penetração na mídia impressa do Ceará e do eixo Rio-São Paulo”, afirma a coordenadora da Lumiar, Dora Freitas.
Contando com um acervo de cerca de 200 mil imagens, Schmitt conta que o trabalho que resolveu mostrar nessa exposição tem pouco a ver com a beleza fotográfica. No foco, imagens que retratam fatos históricos, personagens relevantes na esfera política e social brasileira, mas revelam também o fazer jornalístico de uma época marcada por grandes desafios. “Quando comecei a trabalhar no Ceará, os jornais e agências não tinham grandes e modernos estúdios, principalmente por aqui. Viajava pelo sertão e pelas capitais nordestinas de carro e os filmes fotográficos sofriam os efeitos do calor. A revelação era feita no Rio e em SP, pelos veículos de comunicação para os quais prestava serviço. Então, os filmes seguiam por malotes ou por avião, sempre numa luta contra o tempo para chegar no prazo do fechamento”, relembra o fotógrafo.
Enquanto Schmitt prepara um projeto para digitalizar o seu acervo e arquivar no Museu da Imagem e do Som (MIS), seu trabalho já está sendo divulgado através do site http://www.ricardoschmittdocumenta.com.br.
Serviço:
Exposição fotográfica Ricardo Schmitt – Documenta
De 10/09 a 31/10
Local: Galeria Antônio Bandeira
Endereço: Rua Conde D’Eu, 560, Centro – Centro de Referência do Professor
Horário: De segunda à sexta-feira, de 9h às 18h. Aos sábados, de 9h às 13h.
Site: http://www.ricardoschmittdocumenta.com.br






TV POR ASSINATURA


“Brothers & Sisters” chega ao GNT em outubro

A partir de 1º de outubro, o GNT exibe a premiada “Brothers & Sisters”. Um dos seriados americanos de maior sucesso chega ao canal em duas versões: dublada e legendada com áudio original. Criado por Jon Robin Baitz, “Brothers & Sisters” narra o dia a dia da família Walker, que tem Nora como matriarca, personagem de Sally Field. A primeira temporada será apresentada de segunda a sexta, às 23h, logo após a exibição de “Sessão de Terapia”. Confira abaixo um teaser da série.